01 julho 2018

CAIXA MÁGICA




caixa mágica

a vontade é louca
várias pequenas e
poucas grandes vontades
correr descalço
pular amarelinha
subir na goiabeira
que agora não tem goiabas
o pneu ainda está pendurado
balanço perfeito.

no álbum impera o sépia.
alguns descascados
até mancha que parece de vinho
a caixa ainda está amarrada
com a fita carmesim.

quem deu o presente?
quem deu o futuro?
quem destruiu o passado?

vontades de voltar.
posso?

29 junho 2018

UM PINGO É UMA GOTA?

 


gostoso sair na chuva

gosto de sair na chuva
de encontrar pingos
amigos
cinemas
depois eu volto de táxi.

quero me contar
sem me conter
nas emoções
sentir o ar na vidraça
o vidro suado do vapor
a janela aberta
o frio penetrando.

ao longe o latido
sons que me chegam
sem compromisso de ficar.

juntos assistimos cores
variadas flores
sentimos
dores
as particulares e as outras.

mas nem todas.

qual o filme?
falava de destinos
corações
apaixonados
havia esperanças
suspiros
alguns apertos
momentos desconexos.

tudo na pressa
mas eu gosto.

gostava.

SEXTO SENTIDO

 

SEXTO SENTIDO

Existe um sexto sentido que precisa ser vivido
dito
sem palavras
sem trapaças
sem textos
sem pretextos.

então:

que esse sentido exploda
e atinja o óbvio do alvo
e se afaste das camuflagens
e perceba as descobertas
e se sinta inquieto
e se encarregue do transformar.

que seja doce ainda que efêmero
e se confunda
com o coito das noites
penetrando as madrugadas
parindo dias
ressuscitando cores
ressurgindo em raios
de todas as luzes.

que todas as palavras
explodam
ressoem
maquiem as notícias
e se lancem
em busca do inédito
e deem crédito
a esse sexto sentido
que se chama
amor.
.
.
Vicente
.
.

25 junho 2018

LABIRINTO

labirinto

sinto passagens em mim
que saem em mim
que entram em mim
sempre no mesmo eu
na mesmice tão esmigalhada
por todas essas pressas
de muros
de sebes
de alamedas
sensação estranha
labiríntica.

caminho por essa sensação
como se fosse estrada.

caminhar
com verbo no horizonte
mais-que-perfeito
procurando o imperfeito
daqueles dias cinzentos.

tenho tantos temas
tinha tantos
tantos temores
no amanhã
e no ontem
quando nem existiam palavras
que adivinhassem você.

no hoje
porém
palavras
sugerindo outros
temas
transes
sua existência
tão ali.
tão aqui.

palavras  (lhe) refletem
:
amor
namoro
namorados
:
tantos
cantos
cantados.

encantos
momentos
ainda
(linda)
sonhando
acordado
namorados
namorando
namorada.

palavras
essas mesmas que explodem
denunciando tudo o que já foi escrito
dito
sugerido
amigos
amantes
ciúmes
em amargo de chocolate
de  estreitamento
de zap
de morenez.
de loucuras morenas
de frestas de portas de quartos.

e cheiros
e arrepios
e sabores
e medos.
em línguas sôfregas
que se espreitam
e se buscam
em sonhos
de pernas
que se descruzam
e se mostram
e se misturam
e se confundem.

até
se sentirem saciadas.

em outros temas
e datas
e manhãs tão variadas
e noites tão esperadas.

até
nem perceber.

confusões
de mentes
de pensamentos
de vontades
de despedidas
(que não se concretizam)
:
tão amiúde
tão inteiramente ignoradas.

até
saber que se descansa.

pro outro
(dia)
nascer feliz
de novo
e de novo
e de dizer que
agora
você está aqui.

daquele jeito
que eu sempre
quis.


.

24 maio 2017

BELEZA E ATITUDE




porque era maio
tempo de andar às voltas
com as flores azuis da quaresmeira
apreciar os primeiros dias dos nevoeiros
do pleno outono do sudeste.

afloravam amores vividos
amores sentidos
amores percebidos
eram e são tantas as afeições jovens
as agonias das desesperanças
das faltas que se sentem
das vontades e das pressas.

e ela estava lá
a tarde clara
de estranhos calores
no burburinho do centro da cidade
são tantas as expectativas de chegadas
de promessas
de encontros.

são novas
efervescências novas
novas 
ebulições
das novas belezas
e atitudes 
tão nova.

no tempo
algumas reentrâncias.
são ruas
avenidas
praças
e becos
bem além da surpresa
das promessas
além do querer bem
além
muito além.

e essas cores?
(porque te vi)
esses sabores?
(porque te sorvi)
essas texturas?
(porque te toquei)
essas quenturas?
(porque te senti).

são medos
arremedos de carícias
de carinhos
nas vontades aceleradas
(dos joelhos dobrados)
ditadas pelo tempo
pelo horário
tão contrário às expectativas
de vida
vividas.

sobrou o gosto do gozo
do encontro
do reencontro
sobrou a vontade
do hoje
do amanhã
do depois.

sobrou a vontade do ver-te
vertendo em carinhos
pedindo
sentindo
gostando
pois estou indo
pois estou voltando.

e te achando.

linda
tão linda. 

                             ---------     xxxx     ---------